Categoria

Contato

Olá, então, curtiu nosso conteúdo? Tem uma sugestão para nos dar? Quer fazer um elogio à nossa equipe ou simplismente deseja entrar em contato com a gente? Fique a vontade.






    Mensagem enviada com sucesso!

    • SHARE

    Por Marketing

    Oficina

    Siga nossas dicas e não cometa erros na troca de óleo4 min read

    Tempo Icone
    Tempo de leitura - 03:57

    Para seu veículo rodar com segurança e você estar tranquilo, não há como abrir mão da devida manutenção. O blog Dimas tem trazido várias dicas nesse sentido, informando sobre como garantir maior durabilidade e desempenho. E um dos procedimentos que deve ser levado muito a sério, para o bom funcionamento e prevenção do desgaste do motor do seu carro, é a troca de óleo.

     

    Sem a lubrificação correta, o motor pode até mesmo fundir. Siga a leitura do nosso post e saiba como acertar em cheio na troca de óleo, evitando erros bastante comuns, afinal, a certeza de estar guiando um carro bem cuidado é algo que não tem preço na corrida rotina da maioria dos motoristas. 

     

    Fonte: http://moviautocenter.com.br

     

    De olho nos prazos da troca de óleo

    O fator mais importante a se considerar, na troca de óleo do carro é, sem dúvidas, a periodicidade. As diferentes marcas e modelos de automóveis têm recomendações específicas, que podem ser conferidas no manual do proprietário e devem ser alinhadas a alguns procedimentos comumente defendidos pelos especialistas no assunto. 

     

    Em geral, em se considerando condições ideais de circulação, o procedimento deve ser executado a cada 10 mil ou 15 mil km rodados. No entanto, o certo é o motorista conferir constantemente o nível do óleo, pois questões como trânsito intenso e estradas adversas, aumentam o consumo, podendo reduzir essa quilometragem pela metade. Então, monitore e confira constantemente o nível de óleo. 

     

    Outro fator crucial é estar atento ao tipo de produto certo a usar na hora de trocar o óleo do carro. O mercado tem três categorias principais, o sintético, o mineral e o semi-sintético. É fundamental não combinar tipos e escolher o mais adequado para o seu veículo, o que também torna contraindicado a famosa prática de completar o óleo.

     

    A verificação correta

    Para uma verificação adequada, o carro deve estar parado há, pelo menos, cinco minutos, e estacionado em local plano, o que evita equívocos na leitura. Em se tratando da efetividade em demonstrar o nível e a viscosidade do óleo, há alguns procedimentos bem práticos. 

     

    O primeiro deles é, justamente, limpar a vareta indicativa do óleo do motor, preferencialmente com uma flanela. Depois de limpa, ela deve ser novamente inserida, para ter a real medida. 

     

    Observe, então, as indicações de nível mínimo e máximo, levando em consideração que o ideal é que a marca esteja no ponto intermediário. 

     

    Caso o nível esteja abaixo do mínimo, é preciso trocar o óleo do carro imediatamente. Se o parâmetro ultrapassar o máximo, é importante uma drenagem, para não comprometer o cárter. No que diz respeito à textura e cor, há alguns mitos. Um óleo escuro pode significar bom desempenho de função, ao contrário do que pensam muitos motoristas. 

     

    Da mesma forma, quando o produto parecer fino, pode ser simplesmente o indício de checagem no momento errado, pois a viscosidade diminui com o calor e o certo é checar com o motor frio. Tudo isso depende de uma análise bastante criteriosa, para a qual você conta com o apoio de centros automotivos especializados.

     

    Armadilhas sobre a troca de óleo

    Pedir ajuda profissional é a atitude correta para não cair nas armadilhas do senso comum sobre a troca de óleo do carro. O uso do aditivo, por exemplo, é um desses temas que divide opiniões. 

     

    Ele pode ajudar a evitar acúmulo de sujeira no interior do bloco do motor, mas a necessidade do uso é determinada pelas características do veículo, bem como pelo seu perfil de circulação. O fato é que o uso de aditivo incompatível pode ser prejudicial.

     

    No caso de carros novos, especialistas afirmam que não não é necessário recorrer a esses produtos. Há quem acredite, inclusive, que eles comprometem a qualidade da lubrificação, gerando depósitos, e defenda que os bons óleos disponíveis no mercado contêm um pacote de aditivos suficiente na base de composição. 

     

    Além disso, a troca de óleo deve seguir um conjunto de procedimentos específicos, que envolvem o resfriamento do carro, a verificação de luz indicativa do painel e a conferência correta de nível. 

     

    Sem o uso de ferramentas adequadas há, inclusive, o risco de acidentes. Conte com o Dimas para uma troca de óleo segura e sem erros. E por falar nos melhores cuidados com o seu veículo, confira também o nosso manual da bateria do carro, com tudo que você precisa saber sobre esse outro componente fundamental.